sábado, 20 de dezembro de 2008

Grupo NoRace e senador Demóstenes

Clique nas imagens para ampliar
.

Acima: Miranda, MHL, José Roberto Militão e Alexandre Leuzinger. O Dr Leão está no fundo.

domingo, 7 de dezembro de 2008

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Chávez FOR EVER

Fonte: Jornal de Brasília, 26 de novembro de 2008

terça-feira, 25 de novembro de 2008

terça-feira, 18 de novembro de 2008

O carro mais feio do mundo


Ford Edsel - de frente e de bunda.
.
Fotos "roubadas" do blog Autozine - deste post aqui.

sábado, 15 de novembro de 2008

O que está nas mãos de Reinaldo Azevedo ?

Clique na imagem para ampliar
(28 de outubro de 2008)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Science by litigation

Clique na imagem para ampliar.
Fonte: Revista Nature, 2008.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Why do intelligent people live longer?

Nature 456, 175-176 (13 November 2008)
doi:10.1038/456175a
..
Why do intelligent people live longer?
We must discover why cognitive differences are related to morbidity and mortality, argues Ian Deary, in order to help tackle health inequalities.
.
..........by Ian Deary
.
Ten years ago, on 16 October 1998, I presented findings that people from Aberdeen with higher childhood IQs — measured at age 11 in the Scottish Mental Survey of 1932 — were significantly more likely to survive to age 76. It was at a psychology seminar at Glasgow Caledonian University, UK. For one audience member, the finding did not go down well. "So, you're saying that the thick die quick?" It was not a point of clarification; it was an accusation. The temperature in the room rose as the questioner railed against a result he found insulting and wanted to invalidate. Hadn't intelligence tests been discredited?
.
Actually, no. Scores from cognitive-ability tests (also known as intelligence tests or IQ tests) have validity that is almost unequalled in psychology (1). A general cognitive-ability factor emerges from measures of diverse mental tasks, something that hundreds of data sets since 1904 have replicated. People's rankings on intelligence tests show high stability across almost the whole lifespan, are substantially heritable and are associated with important life outcomes — including educational achievements, occupational success and morbidity and mortality. More thumping confirmatory studies of the link between intelligence and mortality have appeared since our first work. One of these contains nearly a million Swedish men tested at around age 19 during military induction and followed for almost 20 years (2). It shows a clear association: as intelligence test scores go up the scale, so too does the likelihood of survival over those two decades.
.
When we attempted to publish our original study, we came across a different complaint: the journals to which we submitted our initial findings said they found the link obvious. It was already well known that health inequalities are associated with different social backgrounds. That was deemed the likely explanation for the finding. But it has since been shown that childhood social class does not account for the association between childhood intelligence and later mortality (3).
.
Intelligence can predict mortality more strongly than body mass index, total cholesterol, blood pressure or blood glucose, and at a similar level to smoking (4). But the reasons for this are still mysterious. That needs to change. Reducing health inequalities is a priority, and to do that we need to determine their causes.
.
Catchy headlines
We weren't the first to find a link between individually assessed intelligence and mortality. In 1992 a report in the journal Personality and Individual Differences showed that mental test scores of Australian soldiers at the time of induction for the Vietnam War were associated with deaths up to early middle age (5). The finding should have been headline grabbing, but it has been slow to gain a popular and academic reaction. It wasn't until our 2001 paper in the British Medical Journal (6) that the media began to pay attention — 'Brainy Kids Live Longer' proclaimed Scotland's Daily Record; 'The Higher Your IQ, the Longer You're Likely to Live' said Britain's Daily Mail. And the papers became more frequently cited.
.
Cognitive epidemiology has since become established as a distinct area of study, and a systematic review has established the association between early-life intelligence and mortality across different populations, in different countries, and in different epochs (3).
.
Four explanations
The field has focused on four non-exclusive possibilities for the link between intelligence and death. First, what occurs to many people as an obvious pathway of explanation, is that intelligence is associated with more education, and thereafter with more professional occupations that might place the person in healthier environments. Statistical adjustment for education and adult social class can make the association between early-life intelligence and mortality lessen or disappear (2, 7). But not always.
.
Moreover, cause and effect among intelligence, education and social class is not settled. It may be that a person with more and better education achieves a higher IQ score; but a child with a high IQ score is more likely to undergo more years of education, attain higher qualifications and go on to a better job. Thus, adjusting for education and social class in the intelligence–mortality association could be an over-adjustment — it might weed out some of the very influence of intelligence that we are trying to detect. Linda Gottfredson, in the School of Education at the University of Delaware in Newark, has proposed that intelligence is a 'fundamental cause' of the association between education, social class and health (8). Her gauntlet-throwing-down paper — which has just won the prestigious George A. Miller award from the American Psychological Association — is provocative to epidemiologists, who tend to look outside rather than within the individual for causes of health inequalities. Those with contrasting ideas in this area need a chance to debate their theories and work towards a solution.
.
Second, people with higher intelligence might engage in more healthy behaviours. Evidence is accruing that people with higher intelligence in early life are more likely to have better diets, take more exercise, avoid accidents, give up smoking, engage in less binge drinking and put on less weight in adulthood.
.
But this too doesn't seem to be the whole story. In an assessment known as the US Vietnam Experience Study (9), higher intelligence test scores at induction were associated with a lower likelihood of developing metabolic syndrome in middle age — a condition combining factors such as obesity, high blood pressure and impaired glucose metabolism. In the same study, higher intelligence was also associated with lower likelihood of dying in 15 years of further follow-up. Adjusting for metabolic syndrome reduced the association of intelligence with total mortality by up to 10%, and with cardiovascular disease mortality by up to 32%.
.
Third, mental test scores from early life might act as a record of insults to the brain that have occurred before that date. These insults — perinatal events, or the result of illnesses, accidents or deprivations before the mental testing — might be the fundamental cause behind both intelligence test scores and mortality risk. So far, little evidence supports this. Both birth weight (commonly used as a marker of fetal development) and parental social class (used as a marker of early-life circumstances) are correlated with intelligence test scores. But, when the associations between intelligence and mortality are adjusted for these factors, the association remains almost unaltered. Perhaps subsequent work may find better indicators of early-life tribulations that have more explanatory power.
.
Fourth, mental test scores obtained in youth might be an indicator of a well-put-together system. It is hypothesized that a well-wired body is more able to respond effectively to environmental insults. This 'system integrity' idea has a parallel in the field of ageing, where some data suggest that bodily and cognitive functions age in concert.
.
Some supporting evidence comes from the finding that simple reaction speed — the time taken to press a button when a stimulus appears — can displace intelligence test scores as an even better predictor of mortality risk (10). Reaction-time tasks do not require complex reasoning, and so are unlikely to be improved by education. A major job for the field is to discover better markers for system integrity and to test their explanatory power for mortality.
.
Unclear chain
Although intelligence plays a part in health behaviours and health outcomes that contribute to specific causes of death, a clear chain of causation from intelligence to health outcomes and then to death has not emerged. Different types of mortality, including cardiovascular disease, homicide and suicide, seem to demand their own explanations for being associated with early-life intelligence. Those who found the intelligence–death association 'obvious' must think again.
.
The new University of Edinburgh Centre for Cognitive Ageing and Cognitive Epidemiology, of which I am director, opened on 1 September 2008. High among its aims is to provide a forum and infrastructure to unpick the extent to which cognitive and other effects underlie different causes of mortality. Psychologists, epidemiologists, neuroscientists, behavioural geneticists, statisticians and others will interact in our programme, providing complementary skills to understand the causal pathways.
.
The field has benefited from many varied data sets, none of which was initiated with the aim of asking why intelligence foretells death. Considerable credit for identifying such data goes to David Batty, an epidemiologist interested in the causes of chronic disease and a colleague of mine since 2002, who was responsible for establishing links with the Swedish conscripts study and the Vietnam Experience Study, amongst others, to test our theories.
.
High among our priorities is to find more such relevant data sets, especially some involving twins. Members of our centre are now analysing twin studies from Minnesota and Denmark that seem, in the early stages, likely to be informative about the intelligence–mortality link.
.
There is also a search for other, non-cognitive psychological characteristics that are associated with living longer. For example, it seems that, independently of any association with intelligence, being more dependable or conscientious in childhood is also significantly protective to health. Children who scored in the top 50% of the population for intelligence and dependability were in one study (11) more than twice as likely to survive to their late sixties as children scoring in the bottom half for both.
.
Why do we die when we do, and to what extent is this question tractable? This fundamental curiosity drives our team and others on to better scientific studies. More than satisfying our curiosity, the search has practical implications. The influence of intelligence on mortality isn't fated; intelligence does not unalterably spin, measure and cut the thread of life. The things that people with higher intelligence have and do that make them live longer may be found and, we hope, shared, towards the goal of better and more equal health.
.
References
.
1. Deary, I. J. Intelligence: A Very Short Introduction (Oxford Univ. Press, 2001).
.
2. Batty, G. D. et al. Epidemiology (in the press).
.
3. Batty, G. D., Deary, I. J. & Gottfredson, L. S. Ann. Epidemiol. 17, 278–288 (2007). Article PubMed
.
4. Batty, G. D., Shipley, M. J., Gale, C. R., Mortensen, L. & Deary, I. Heart doi:10.1136/hrt.2008.149567 (2008).
.
5. O'Toole, B. I. & Stankov, L. Pers. Individ. Dif. 13, 699–716 (1992). Article
.
6. Whalley, L. J. & Deary, I. J. Br. Med. J. 322, 819–822 (2001). Article ChemPort
.
7. Hart, C. et al. Psychosom. Med. 65, 877–883 (2003). Article PubMed ISI
.
8. Gottfredson, L. S. J. Pers. Soc. Psychol. 86, 174–199 (2004). Article
.
9. Batty, G. D. et al. Diabetologia 51, 436–443 (2008). Article PubMed ChemPort
.
10. Deary, I. J. & Der, G. Psychol. Sci. 16, 64–69 (2005). Article PubMed
.
11. Deary, I. J., Batty, G. D., Pattie, A. & Gale, C. R. Psychol. Sci. 19, 874–880 (2008). Article PubMed

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Detectando plágio em projetos ?

Clique na imagem para ampliar.
Fonte: revista Nature (novembro de 2008)

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Obama x Mac - HOJE - 00:06 AM

Clique na imagem para ampliar
05/11/2008 - 00:06 AM
Fonte: CNN

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Obama bem perto da vitória

Clique na imagem para ampliar
Fonte: Jornal de Brasília, 30/10/2008

sábado, 18 de outubro de 2008

Back to Miller´s experiment - Science 2008

Clique na imagem para ampliar
Fonte: Science vol 322, p 404.

Image manipulation and fraud - Science

Science 17 October 2008
Vol. 322. no. 5900, p. 356
DOI: 10.1126/science.322.5900.356
.
SCIENTIFIC MISCONDUCT:
Falsification Charge Highlights Image-Manipulation Standards
.
Gretchen Vogel (*)
.
Controversy continues to plague work from the lab of prominent stem cell researcher Catherine Verfaillie. The University of Minnesota (UM) announced last week that an academic misconduct committee had concluded that Morayma Reyes, while a graduate student in Verfaillie's lab there, "falsified" four data images in figures in a 2001 stem cell article. The committee found that misconduct allegations against Verfaillie were unsubstantiated, but it did criticize her oversight and mentoring of lab personnel. The new charges come a year after questions were raised about the misuse of images in another key stem cell publication from the group (Science, 02 March 2007, p. 1207).
.
Reyes, now an assistant professor of pathology at the University of Washington (UW), Seattle, and Verfaillie, who now heads the Stem Cell Institute at the Catholic University of Leuven in Belgium, both acknowledge that errors were made in the preparation of the 2001 paper. But Verfaillie defends her supervision, and Reyes says that for several of the disputed images she merely globally adjusted the brightness and contrast in data images without any intent to deceive. "These errors were unintentional and were common and accepted practices at the time," Reyes wrote in an e-mail to Science.
.
The paper, published in Blood, claims that stem cells purified from human blood can form precursors of bone, fat, cartilage and muscle cells, as well as the endothelial cells that line blood vessels. At the time, blood stem cells weren't thought to be that versatile. Verfaillie and Reyes say the figure errors do not alter the Blood paper's conclusions, but Verfaillie has asked the journal to retract the paper, calling it "the proper course in this situation."
.
The Blood paper relates to work that the group later published in Nature, reporting that cells from mouse bone marrow could become a wide variety of cell types. Several groups have reported trouble reproducing that paper's results (Science, 09 February 2007, p. 760). Then last year, Nature conducted a re-review of the paper when a journalist at New Scientist questioned whether some data shown were identical to those in another paper. A UM investigation concluded that any duplication was the result of honest error. Nature published several corrections but said that the paper's conclusions were still valid and that Verfaillie continues to stand by the work.
.
CREDITS: REYES ET AL., BLOOD 98, 9 (01 NOVEMBER 2001) © THE AMERICAN SOCIETY OF HEMATOLOGY
.
New Scientist also alerted the university to an apparent duplicated image in the Blood paper (Science, 30 March 2007, p. 1779). The university then convened a new committee, which submitted its final report on 5 September. The school last week stated that the committee found that in four of the seven figures in the Blood paper, "aspects of the figures were altered in such a way that the manipulation misrepresented experimental data and sufficiently altered the original research record to constitute falsification." The committee cited "elimination of bands on blots, altered orientation of bands, introduction of lanes not included in the original figure, and covering objects or image density in certain lanes," the statement says.
.
The university has not released the full report, citing privacy laws, and experts in image analysis say it is hard to determine intentional fraud solely from the original paper. James Hayden, manager of the microscopy core facility at the Wistar Institute in Philadelphia, Pennsylvania, says that to make a clear point, scientists often alter images, sometimes more than they should. Good laboratory practice means all such adjustments should be noted in a paper and copies of the original image files kept, he says. Jerry Sedgewick, head of the Biomedical Image Processing Lab at UM and one of Reyes's mentors, says he is not convinced that she did anything wrong with the image adjustments she made. "This is done routinely and has been done since film and imaging began," he says.
.
During the investigation, Reyes asked George Reis, who heads the consulting firm Imaging Forensics in Fountain Valley, California, to assess whether changes made between the original image scans and the published images could be due to "global" adjustments, which would imply there was no intent to deceive. Reis told Science that he did determine that significant global adjustments could account for "most of the changes in most of the images." But he says he did not examine the images specifically for signs of editing such as adding or deleting individual lanes.
.
UM says it has forwarded the panel's report and supporting materials to the federal Office of Research Integrity in Rockville, Maryland. UW is waiting for more information from UM before deciding whether to discipline Reyes, according to a spokesperson.
.
Both Verfaillie and Reyes say they have implemented much stricter rules for dealing with data images in their labs as a result of the case. "I have learned a hard lesson," Reyes e-mailed Science. "Now that I am a mentor … I will make sure that my students will get the proper training, supervision and education."
.
*: With reporting by Rachel Zelkowitz.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

O País dos Petralhas (lançamento em BSB)

Clique na imagem para ampliar
Fonte: Jornal de Brasília, 17/10/2008

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

The Misused Impact Factor - Science Editorial

Science 10 October 2008:
Vol. 322, no. 5899, p. 165
DOI: 10.1126/science.1165316

Editorial:
The Misused Impact Factor


by Kai Simons
.
Research papers from all over the world are published in thousands of Science journals every year. The quality of these papers clearly has to be evaluated, not only to determine their accuracy and contribution to fields of research, but also to help make informed decisions about rewarding scientists with funding and appointments to research positions. One measure often used to determine the quality of a paper is the so-called "impact factor" of the journal in which it was published. This citation-based metric is meant to rank scientific journals, but there have been numerous criticisms over the years of its use as a measure of the quality of individual research papers. Still, this misuse persists. Why?
.
The annual release of newly calculated impact factors has become a big event. Each year, Thomson Reuters extracts the references from more than 9000 journals and calculates the impact factor for each journal by taking the number of citations to articles published by the journal in the previous 2 years and dividing this by the number of articles published by the journal during those same years. The top-ranked journals in biology, for example, have impact factors of 35 to 40 citations per article. Publishers and editors celebrate any increase, whereas a decrease can send them into a huddle to figure out ways to boost their ranking.
.
This algorithm is not a simple measure of quality, and a major criticism is that the calculation can be manipulated by journals. For example, review articles are more frequently cited than primary research papers, so reviews increase a journal's impact factor. In many journals, the number of reviews has therefore increased dramatically, and in new trendy areas, the number of reviews sometimes approaches that of primary research papers in the field. Many journals now publish commentary-type articles, which are also counted in the numerator. Amazingly, the calculation also includes citations to retracted papers, not to mention articles containing falsified data (not yet retracted) that continue to be cited. The denominator, on the other hand, includes only primary research papers and reviews.
.
Why does impact factor matter so much to the scientific community, further inflating its importance? Unfortunately, these numbers are increasingly used to assess individual papers, scientists, and institutions. Thus, governments are using bibliometrics based on journal impact factors to rank universities and research institutions. Hiring, faculty-promoting, and grant-awarding committees can use a journal's impact factor as a convenient shortcut to rate a paper without reading it. Such practices compel scientists to submit their papers to journals at the top of the impact factor ladder, circulating progressively through journals further down the rungs when they are rejected. This not only wastes time for editors and those who peer-review the papers, but it is discouraging for scientists, regardless of the stage of their career.
.
Fortunately, some new practices are being attempted. The Howard Hughes Medical Institute is now innovating their evaluating practices by considering only a subset of publications chosen by a scientist for the review board to evaluate carefully. More institutions should determine quality in this manner.
.
At the same time, some publishers are exploring new practices. For instance, PLoS One, one of the journals published by the Public Library of Science, evaluates papers only for technical accuracy and not subjectively for their potential impact on a field. The European Molecular Biology Organization is also rethinking its publication activities, with the goal of providing a means to publish peer-reviewed scientific data without the demotivating practices that scientists often encounter today.
.
There are no numerical shortcuts for evaluating research quality. What counts is the quality of a scientist's work wherever it is published. That quality is ultimately judged by scientists, raising the issue of the process by which scientists review each others' research. However, unless publishers, scientists, and institutions make serious efforts to change how the impact of each individual scientist's work is determined, the scientific community will be doomed to live by the numerically driven motto, "survival by your impact factors."
.
====================================
Kai Simons is president of the European Life Scientist Organization and is at the Max Planck Institute of Molecular Cell Biology and Genetics in Dresden, Germany.

Professora Heloisa Miranda, IB, UnB


UnB deve R$ 200 milhões em passivos trabalhistas

Clique na imagem para ampliar
Fonte: Jornal de Brasília de 15/10/2008.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Impact Factor Fever - Letter to Science

Science 10 October 2008
Vol. 322. (no. 5899), page 191

Letters
Impact Factor Fever


In a recent Editorial ("Reviewing peer review," 4 July, p. 15) B. Alberts et al. addressed the most important problem affecting the scientific community today: the incredible pressure to publish, which is the drift of the "publish or perish" philosophy. Scientific quality is bound to suffer when scientists focus only on their publication records.
.
As an author, reviewer, and editor of a small international scholarly journal, I have noticed a dramatic increase in plagiarism, "salami-slicing" science, and other kinds of research misconduct over the past few years.
.
I fully agree that the peer-review process should be revised in order to reduce its length and make it less agonizing for authors, reviewers, editors, and readers (1). Some of the methods suggested in the Editorial, such as sending reviews on to other journals and enlarging the pool of referees, are certainly needed and will hopefully be successful. However, Alberts et al. failed to mention what is perhaps the most debilitating illness plaguing the scientific community, which I call the "impact factor fever." The exacerbated pressure to publish we all suffer from is induced by an exaggerated reverence for the impact factor.
.
Scientific achievement cannot be soundly evaluated by numbers alone. As Albert Einstein reputedly said, "Not everything that can be counted counts, and not everything that counts can be counted." How long must we wait until an antidote against the impact factor fever is developed?
.
Paolo Cherubini
Dendrosciences
WSL Swiss Federal Research Institute
CH-8903 Birmensdorf, Switzerland
.
Reference
1: M. Raff, A. Johnson, P. Walter, Science 321, 36 (2008).
..
The editors suggest the following Related site:

EDITORIAL
Reviewing Peer Review
Bruce Alberts, Brooks Hanson, and Katrina L. Kelner

Science 321 (5885), 15. (4 July 2008)
[DOI: 10.1126/science.1162115] Summary » Full Text » PDF »
.
Fonte: http://www.sciencemag.org/cgi/content/full/322/5899/191b

sábado, 11 de outubro de 2008

Clube da co-autoria

Clique na umagem para ampliar
Valor Econômico - 10/10/2008
por Carla Rodrigues

Trecho de matéria do jornal Valor Econômico

Clique na imagem para ampliar
Fonte: Valor Econômico, 10/10/2008

Marcos Valério é preso

Clique na imagem para ampliar.
Fonte: Jornal de Brasilia de 11/10/2008.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

terça-feira, 30 de setembro de 2008

domingo, 28 de setembro de 2008

Para calar a boca (3)

Clique na imagem para ampliar

Para calar a boca (2)

Clique na imagem para ampliar

Para calar a boca (I)

Fonte: Jornal de Brasilia de 28 de setembro de 2008
Clique na imagem para amplair

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

José Geraldo e a EDU-UnB

Todos já estão carecas de saber que Alexandre Lima foi um péssimo administrador da Editora da UnB (EDU). Quando Timothy esteve na CPI das ONGs (lembrados ?) foi questionado pelo senador Alvaro Dias pelo fato da EDU ter gasto em 2007 a "modesta" quantia de R$ 49,5 milhões e ter publicado 50 livros - quase 1 milhão por título ! A resposta do então reitor foi pra lá de evasiva.
.
O curioso é que o candidato a reitor José Geraldo recebeu entre 2006 e o inicio de 2008 mais de 45 mil reais em pagamentos na forma de Pessoa Física da EDU (sempre na rubrica Universidade do Século XXI), na época em que a mesma era comandada por Alexandre Lima.
.
Sr. candidato, poderias satisfazer a curiosidade de nosso leitor (e eleitor) e nos dizer qual foi a natureza de seus serviços prestados para a EDU ? Não estamos lhe acusando de nenhum WRONG DOING, mas é seu dever como homem público respoder perguntas dessa natureza.
.
Vamos ver os valores, que estão no Portal da Transparência:
.
Recebimentos em 2008: R$ 13.108,33 - clique aqui.
.
Recebimentos em 2007: R$ 28.849,50 - clique aqui.
.
Recebimentos em 2006: R$ 3.826,43 - clique aqui.

domingo, 21 de setembro de 2008

Coluna Caveira News (1) - continuação de texto

Para ler a 1a parte deste texto clique aqui.
.
Abaixo está a continuação do mesmo.
.
Os jovens engenheiros mecânicos de hoje são as sementes deste processo moderno de formação. Temos certeza que nossos alunos estão deixando o curso de graduação em engenharia mecânica com a idéia incorporada de que o bom engenheiro é aquele que busca a melhor solução dentre todas aquelas que se apresentem possíveis. Os engenheiros mecânicos começam a ter uma visão mais clara da relevância dos cursos de pós-graduação, do aperfeiçoamento para suas vidas profissionais e da importância do permanente contato com a Universidade. A idéia passada de que a vida prática do engenheiro estaria sempre avançando, enquanto, a formação acadêmica iria perdendo terreno, começa ser vista como um grande erro de interpretação, principalmente, quando se pensa em desenvolvimento Científico e Tecnológico de um País.
.
Começa se desmistificar aquela figura típica de engenheiro de país do terceiro mundo. Aquele que convivia com uma visão retrógrada do que se entende por continuidade da formação e do conhecimento. Aquele que nada o estimula, mal se dedica a pensar e se comporta guiado pelo hábito da cópia de tecnologias. Tecnologicamente, um eterno dependente e, ou um exímio consultor de tabelas com background em interpolação linear. Um engenheiro que consulta tabelas demais e usa o cérebro de menos, certamente adquirirá em pouco tempo a preguiça de pensar.
.
Buscamos na medida do possível incutir na mente dos nossos alunos que o desenvolvimento e a prática da engenharia, sem a continuidade e a busca de novos conhecimentos científicos e tecnológicos os levarão a superficialidade e a degradação da formação acadêmica. Por outro lado, buscando esta continuidade, nossos engenheiros estarão sempre caminhando ao lado da sabedoria.Acredito que o jovem engenheiro que o departamento de Engenharia Mecânica da UnB vem formando para a sociedade detém um potencial de valor inestimável. A experiência tem nos mostrado que nossos jovens engenheiros são uns dos melhores do País; capazes de desenvolver com brilhantismo atividades não só na área técnica da Engenharia Mecânica, mas também de outras atividades que lhe sejam confiadas e que exijam criatividade, bom senso e tomada de decisões. Essa deve ser sem dúvida uma das respostas mais nobres da Universidade pública para a Sociedade.
.
Temos esperança de que estes jovens, futuros empresários e ocupantes de importantes cargos de decisão, dentro deste contexto, consigam aproximar cada vez mais indústrias e empresas da Universidade. Esta parceria é fundamental para o desenvolvimento científico e tecnológico de nosso País. Um maior contato com empresas e industriais nacionais, levaria a um melhor conhecimento dos problemas de interesse industrial nas áreas de concentração dos grupos de pesquisa da universidade com a perspectiva de desenvolvimento bilaterais de cooperação.
.
Muitas empresas possuem problemas na área de Engenharia Mecânica, que as privam de obter melhor produtividade e qualidade de seus produtos, o que certamente prejudica sua competitividade. Nestes casos, o papel da universidade seria dar uma assessoria global ao gerenciamento para a implantação de melhorias, procurando desenvolver, de forma integrada com os profissionais da empresa, novas metodologias para solução de problemas específicos, auxiliando na análise e controle de processos.
.
abraços fraternos
Prof. Caveira Brasil

Citações versus tamanho de um paper - página 2

Clique na imagem para ampliar

sábado, 20 de setembro de 2008

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Normas para a condução da campanha

1 – Fica proibido veicular matéria paga em qualquer meio de comunicação (televisão e rádio comercial, ou jornal).
.
2 – Somente é permitida a propaganda em locais públicos definidos pela COC.
.
2.1 – É permitida a distribuição de panfletos em todas as áreas públicas do campus.
2.2 – Não é permitida a propaganda fora da área do campus.
2.3 – Não é permitido afixar propaganda fora dos locais definidos pela COC e dois murais temporários instalados pela Prefeitura do Campus (PRC);
.
3 – Fica proibido causar danos de qualquer natureza ao patrimônio público.
.
4 – Fica vedado o recebimento de contribuição financeira e material, para fins de campanha, de quaisquer partidos políticos e outras entidades externas à UnB/FUB, bem como de órgãos internos da UnB/FUB.4.1 – O limite de gastos e receita (contribuições) por chapa está fixado em R$ 10 mil
.
5 – É proibido o apoio formal de quaisquer órgãos acadêmicos ou administrativos da UnB/FUB a candidatos. Inclui-se nesta proibição a indicação de cargos ou funções exercidas por quem fizer declaração de apoio às candidaturas.
.
6 – Fica garantido o direito de visita de todos os candidatos às unidades da UnB/FUB, assegurando-se condições de igualdade entre eles.
.
7 – A participação de pessoas físicas nos trabalhos de campanha fica restrita aos membros da comunidade universitária. Poderá haver a contratação de pessoas para trabalho de secretaria.
.
8 – Os candidatos deverão apresentar à COC, até as 12 horas do dia 22 de agosto de 2008, o planejamento referente à origem e à destinação dos recursos que serão utilizados na campanha e a primeira prestação de contas parcial semanal (receita e despesa).
.
8.1 – Os candidatos deverão entregar à COC as prestações de contas semanais até às 12h nos dias 29 de agosto, 5 de setembro e 12 de setembro.
8.2 – A prestação final de contas dos candidatos (do primeiro turno) será entregue à COC até as 17h no dia 19 de setembro.
.
9 – A qualquer momento, durante a campanha, a COC poderá ter acesso à contabilidade dos candidatos.
.
10 – A COC recomenda aos docentes, a seu critério, permitir atividades de campanha dentro das salas de aula e laboratórios, preferencialmente nos últimos 10 ou 15 minutos do período de aula. É permitida aos candidatos a utilização, para suas reuniões, dos espaços acadêmicos da UnB/FUB (salas e auditórios) desde que não interfira nas atividades acadêmicas.
.
10.1 – A Prefeitura do Campus (PRC) oferecerá espaços físicos temporários para as chapas dentro do ICC, com eletricidade, uma linha telefônica e uma conexão de internet da UnB.
10.2 – Em articulação com a chefia de cada centro de custo e respeitando as agendas destas unidades, será permitido aos candidatos fazer reuniões com os servidores de cada unidade para dialogar sobre suas propostas para a UnB.
.
11 – Ficam assegurados o direito de acesso às informações da UnB/FUB e o atendimento, prioritário, às solicitações de candidatos junto aos órgãos da UnB/FUB.11.1 – O prazo máximo para o fornecimento das informações é de dois dias úteis, salvo os casos que tecnicamente necessitam de prazo maior, devidamente aprovados pela COC.11.2 – O acesso às informações fica restrito àquelas permitidas na Constituição.
.
12 – Não é permitida a veiculação de propaganda eleitoral por meio de equipamento sonoro.
.
13 – Somente são permitidos debates, entre candidatos, previamente agendados entre estes e a COC, obedecendo a normas previamente acordadas entre a comissão e as chapas.
.
14 – Ficam vedadas quaisquer condutas antiéticas, injuriosas, difamatórias ou caluniosas nos atos da campanha, entendidas como tais as violações das normas aqui estabelecidas, estando sujeitas a penalidades, desde advertência até a cassação dos registros de candidatura.
.
15 – A Secretaria de Comunicação (Secom) da UnB providenciará a divulgação das chapas (denominação e nome dos candidatos a reitor e vice-reitor) e o link para o site de cada chapa na internet.
.
16 – A UnB TV estará à disposição das chapas para fazer entrevistas ao vivo durante certos horários de acordo com a sua programação – com blocos de tempo iguais para cada chapa durante a campanha.
.
17 – Quaisquer reclamações das chapas durante a campanha deverão ser entregues à COC por meio da Subsecretaria dos Órgãos Colegiados (SOC) por escrito e assinadas por um representante da respectiva chapa reclamante.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Entrevista com o Professor Dianese - sobre a questão das eleições na UnB

Entrevista com o Prof. Dianese (do IB, UnB), realizada por email, entre os dias 10 e 12 de setembro de 2008. O papo virtual se iniciou bem sério, e depois relaxou. No final, o Dianese fala um pouco de si.
.
MHL (10/09 - 5:10 PM): Professor Dianese, foi mesmo o senhor que interpelou o MPF com respeito ao processo eleitoral na UnB ?
.
Dianese (10/09 - 8:32 PM): Sim, fui eu mesmo. Gostaria de saber por que ?
.
MHL (10/09 - 9:13 PM): Sim, muito ! E quais foram os seus motivos ?
.
Dianese (10/09 - 11:05 PM): O motivo é um único, cristalino e simples. Qualquer pessoa alfabetizada saberá interpretar o texto da Lei n.º 9.192/95, ainda vigente, a qual estabelece em seu art. 16, inciso III: “em caso de consulta prévia à comunidade universitária, nos termos estabelecidos pelo colegiado máximo da instituição, prevalecerão a votação uninominal e o peso de setenta por cento para a manifestação do pessoal docente em relação à das demais categorias”. O Direito na maioria das vezes não se comporta como uma ciência exata, mas no caso presente não há como fugir, setenta por cento é setenta por cento. O CONSUNI falhou ao não obedecer a Lei e deu com isso um mau exemplo aos nossos alunos, a Brasília e ao Brasil.
.
Além disso, o Estatuto da UnB, o qual tem peso de Lei, diz em seu Art. 70: “O Colégio Eleitoral Especial (no caso o CONSUNI) a que se refere o inciso I do art. 16 da Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968, deve consultar a comunidade universitária para subsidiar a sua votação”.
,
Ora se o Estatuto diz que o Colegiado deve consultar a Comunidade, esta consulta tem de ser feita e para isto ela tem de se enquadrar na Lei vigente e não pode ser delegada a outros.
.
MHL (11/09 - 10:01 AM): Fale mais, para nossos internautas da, da sua visão desta Lei 9.192/95.
.
Dianese (11/09 - 5:36 PM): No meu entender, a Lei Lei n.º 9.192/95 é sábia, pois dá mais responsabilidade na escolha, às pessoas dentre as quais está o futuro Reitor. A razão pela qual o Reitor deve ser um professor e não um aluno, ou um servidor técnico-administrativo não carece ser enfatizada. A Lei tenta minimizar os males que a eleição tipo-MUNICIPAL tem causado às Universidades Federais Brasileiras, cerceando pelo menos em parte o apelo à demagogia, mais facilmente vitoriosa em um sistema de voto paritário.
.
O sofrimento das universidades é fruto de um fato óbvio: as eleições são do estilo interior-bravo, baseadas na ação de cabos eleitorais, ou mais gentilmente chamados de apoiadores. Os mais vibrantes cabos nem sempre se tratam dos membros mais competentes do corpo docente da universidade. Vencida a eleição muitos deles nos segmentos docente e técnico-administrativo terão presença assegurada na nova administração.
.
Como os reitores candidatos à re-eleição sempre foram reeleitos Brasil afora, jamais perderam e, mais ainda, os reitores sempre fazem seus sucessores, a equipe dita apoiadora tende a se manter no poder por longos anos. Na UnB foi o caso do Prof. Lauro, reeleito, e que depois fez seu sucessor, o Prof Timothy - que foi vice-reitor por 8 anos.

Isto tudo se deve a um fato contundente: o compromisso dos reitoráveis é com a instituição, mas sem desprezar seus compromissos eleitorais, o que é louvável dizem muitos, considerando o sistema, o qual é basicamente o mesmo usado para eleger o prefeito de um vilarejo qualquer.
.
Assim, a Lei em seu formato atual absolutamente não resolve o problema. Este assunto necessita voltar ao Congresso Nacional para se adequar à realidade acadêmica das nações desenvolvidas, pois, como seres humanos, não necessitamos re-inventar tudo, mas sim usar as experiências de sucesso que outros povos mais evoluídos já implantaram e que funcionam. Copiamos tanta coisa ruim do exterior, não há porque não adotar o obviamente correto para nossa academia.
.,
MHL (12/09 - 6:22 AM): Fale de sua visão do processo de escolha de Reitor no exterior, em lugares como Yale por exemplo.

Dianese (12/09 - 9:40 AM): No mundo evoluído, Reitores são contratados muitas vezes fora das lides internas da universidade baseado em critérios competitivos e meritocráticos. Muitas vezes a universidade contrata head-hunters para procurar as melhores pessoas para o cargo. Isso é muito comum no Canadá e Estados Unidos.
.
Para o Brasil, o ideal seria criar-se em Lei um novo sistema. Por exemplo, uma Comissão encabeçada talvez pelo Presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e composta de mais 10 membros sorteados cada um de uma das diferentes áreas representadas na ABC. Apesar de nem todos nossos acadêmicos serem nota 10, o grande número de membros iria garantir uma escolha meritocrática e seria feita a partir de uma lista de inscrição aberta nacionalmente através de publicação no Diário Oficial da União.
.
Sonhando um pouco mais, poder-se-ia ampliar a comissão e até solicitar a participação de uns poucos laureados (Prêmios Nobel, por exemplo) para auxiliar à Comissão na formação de um banco de currículos de futuros reitores e com isto atender à demanda nacionalmente.
.
Em minha opinião, o melhor seria que o Reitor não fosse um professor da própria Instituição, pois assim o compromisso dele seria só e exclusivamente com a universidade, pois neste sistema não existem cabos eleitorais e nem apoiadores e também não existe nem situação nem oposição. Seria um contrato por tempo indeterminado, sem mandato definido, podendo o Reitor ser demitido se não funcionar, ou em caso contrário, mantido por muitos anos. Internacionalmente, eleição de reitores é algo inimaginável em universidades de peso. No Brasil, a Lei n.º 9.192/95 tenta minorar os efeitos de eleições desnecessárias, porém, caso o Congresso não re-examine o assunto, seguramente na próxima eleição haverá um movimento sério no sentido de que a eleição seja universal: cada indivíduo um voto, independentemente do segmento da comunidade universitária.
.
Pensando bem, não há razão para se treinar eleição para Reitor na universidade em um país profundamente democrático como o Brasil, somos cidadãos integrais. A universidade não pertence às comunidades que a habitam, somos servidores responsáveis pela formação de nossos alunos, os cidadãos que irão herdar o Brasil. A universidade é mantida pelo contribuinte e nela felizmente gozamos de plena liberdade acadêmica. Nossos colegiados são abertos e neles todos os segmentos estão representados. Ninguém jamais interferiu limitando minhas atividades de professor e pesquisador e estou seguro de que isto é verdade para todo o corpo docente da UnB.
.
Agora, não se pode pensar a UnB como um país livre dentro do Brasil: somos obrigados a cumprir as leis, inclusive aquelas que nós mesmos escrevemos, ou seja nosso Estatuto.
..
MHL (12/09 - 11:02 AM): Bem, de acordo com o que saiu hoje no CORREIO, as eleições irão de fato acontecer. O senhor votaria em alguma chapa ?
.
Dianese (12/09 - 11:07 AM): Claro, como sempre vou escolher a chapa que considerar melhor para a UnB, mesmo com o peso de meu voto depreciado em mais de 50% pelo sistema em curso que lamentavelmente fere o espírito da Lei ao contorná-la sem maior sutileza, mas que será seguramente endossado pelo CONSUNI. Professores e estudantes dispersam seus votos, porém os servidores técnico-administrativos são mais corporativizados, por isso poderão fazer o novo Reitor principalmente se houver um segundo turno.
.
Nada de pessoal, pois jamais tive qualquer problema com os candidatos, torço para que a paridade não afete negativamente a qualidade do Reitor escolhido. Após a apuração, seria interessante ver se o Reitor eleito o seria também sob a plena luz da Lei - ou seja, com o peso de 70% para os professores. Torço para o novo Reitor, qualquer que seja ele, traga progresso para nossa UnB
.
MHL (12/09 - 10:10 AM): O que o senhor pensa da proposta (de um certo grupo) de se criar uma Uni-MST aqui no Distrito Federal, possivelmente atrelada à UnB ?
,
Dianese (12/09 - 10:12 AM): Uma universidade apenas para o MST: uma anomalia e totalmente inconstitucional. O necessário mesmo é um investimento federal forte, ao nível de segundo gráu, dirigido a pessoas de baixa renda em geral para assegurar acesso dos jovens à Universidade. Propostas corporativistas não fazem sentido. Daqui a pouco ouviremos propostas para a criação da Uni-Caixa (apenas para funcionarios da Caixa), ou mesmo Uni-PT (apenas para filiados) - tudo sustentado pelo contribuinte.

MHL (12/09 - 10:23 AM): O sr. é chamado pelos corredores da UnB de "timotista" - termo que cunhei em 2007. É verdade ?
.
Dianese (12/09 - 10:30 AM): Marcelo, meus quase 40 anos de UnB me imunizam contra qualquer adjetivo. Eu sou o que eu sou e procuro mostra-me o mais transparente possível. Às vezes pago por isto e sou tratado com preconceito mesmo entre colegas, mas isto faz parte da vida.
.
Um conselho: esqueça o Prof. Timothy. Deixe ele para o passado.

MHL (12/09 - 11:35 AM): Obrigado pelo "advice" sobre o Timothy. Minha namorada já não suporta ouvir seu nome quando saimos !
.
Para terminar, fale para nós um pouco de sí, de sua carreira.
.
Dianese (12/09 - 3:30 PM - respondido na 3a pessoa)
Trata-se de um brasileiro que serve a UnB há 38 anos e que, apesar de um PhD pela Univ. da Califórnia, tem o orgulho mesmo é de ter construído todo o seu currículo nos laboratórios aqui do Minhocão. Suas pesquisas com fungos do Cerrado, obtiveram algum relevo internacional, pois o mesmo é hoje o único estrangeiro membro do Mycology Commttee da American Phytopathological Soc., o único brasileiro duas vezes membro do Executive Committee da International Mycological Association e da International Comission on Fungal Taxonomy; Presidente da Associação Latino-Americana de Micologia (2002-2005); ex-Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Micologia e Presidente do Congresso Brasileiro de Micologia a ser realizado em Brasília em 2009. Jamais se candidatou ou pretende se candidatar a qualquer cargo na UnB.
.
MHL (12/09 - 4:20 PM): Prof Dianese, muito obrigado pela entrevista.
.
Dianese (12/09 - 4:27 PM): Não de quê, Marcelo. Eu que te agradeço por abrir este espaço no blog Ciência Brasil, que é muito lido e comentado em nossa universidade. Sou um leitor assíduo de seu blog.

O DEBATE (3) - Resposta de Michelangelo

Caro Marcelo,
,
A Chapa 72 - UnBViva - tem muita satisfação em apresentar em nossa página ( www.unbviva.com.br ) todo um conjunto de propostas e projetos concretos para a melhoria do ensino de graduação. Mas começaríamos dizendo que ao tempo em fomos do Decanato de Ensino de Graduação, criamos uma comissão formada por professores e estudantes, representantes da Câmara de Ensino de Graduação, para supervisionar a qualidade das aulas e para ouvir as inúmeras queixas que vinham dos estudantes, muitas vezes sem condições de enfrentar o poderio dos maus professores que se unem para cercear direitos.
.
Tínhamos consciência de várias injustiças e irregularidades que ocorriam no andamento das aulas e essa comissão funcionava como uma espécie de ouvidoria discente. Diante do bom êxito conseguido àquela época, pretendemos restaurar a comissão da qualidade do ensino na UnB e dar mais respaldo institucional para resolver questões emergenciais e supervisionar o andamento das aulas.
,
Além desta medida para combater a chamada “picaretagem” de maus professores, apresentamos uma proposta inovadora para o redesenho curricular de graduação, para que possam ser integralizadas diversas experiências acadêmicas como monitorias, estágios, participação em consultorias juniores, intercâmbios nacionais e internacionais, grupos de estudo e muitas outras possibilidades fora da grade de disciplinas, na formação do estudante. Com isso, daríamos uma grande flexibilidade e abriríamos um campo vasto de oportunidades de estudos e de formação para a carreira do estudante.
.
Nessa linha de preocupações criamos e disponibilizamos em nossa página os projetos “Universidade Integrada”, para valorizar a experiência de ensino em situações práticas, junto a comunidades do DF e contando com todos os campi da UnB, e “Programa Interdisciplinar de Graduação” que apresenta uma proposta inovadora para propiciar a articulação e a interdisciplinaridade entre diferentes saberes, apoiado na idéia de Questões Geradoras, próxima ao que o Blog do Marcelo Hermes comenta como o Problem-Based learning.
.
Finalmente, temos um conjunto de ações para melhorar a qualidade e a integração dos estudantes da UnB, a partir do desenvolvimento de estratégias combinadas entre a pesquisa, o ensino e a extensão, na Diretoria de Acompanhamento e Integração Acadêmica do Decanato de Ensino de Graduação, juntamente com maior facilidade de acesso às disciplinas e aos recursos provenientes dos estudantes.
.
Mas tudo isso deverá ser precedido por amplas reformas nos espaços físicos e nas salas de aulas e laboratórios e com a ampliação das bolsas de manutenção, trabalho, estágio e monitoria, em quantidade e valor, para garantir a permanência do estudante. Em resumo, o ensino de graduação terá a atenção e o carinho máximo em nossa administração.
.
Contamos com você para isso.
.
Um forte abraço
Michelangelo Trigueiro
Chapa 72 - UnBViva

O DEBATE (3) - Resposta do maestro Antunes

Caro Marcelo:
Na esquina de minha quadra, aqui no Lago Norte, todas as manhãs avistamos um senhor de cabelos grisalhos, sentado, olhar evasivo, esperando Godot.
.
Ao lado dele vemos um cartaz, cheio de erros de ortografia, anunciando suas especialidades: bombeiro, eletricista, secador, pintura. Aparentemente ele faz tudo. É um generalista. Houve uma época, no Brasil, em que víamos generais por toda parte. Agora são os generalistas.
.
Não sei das qualidades e da competência do dito senhor. Mas não ouso chamá-lo de picareta. Ele é um cidadão brasileiro, cheio de criatividade, e cheio de vontade de trabalhar. Ele, ao que parece, não teve acesso a uma educação de qualidade. Os eternos donos do poder, no Brasil, têm consciência de que "educação" é artigo perigosíssimo. Se todos tiverem acesso à educação de qualidade, logo logo os eternos donos do poder vão perder o poder.
.
Os governos no Brasil, estes sim, têm sido picaretas. Precisamos urgentemente organizar uma rebeldia de baixo para cima, de modo a que o status quo ganhe mudanças radicais. A universidade não escapa dessa triste realidade.
.
Precisamos que se promovam urgentemente concursos públicos, para preenchimento das vagas na educação superior. É preciso nos unirmos numa grande mobilização nacional, para que este governo, que faz tudo de modo a privilegiar a iniciativa privada, mude suas políticas pró-imperialistas, e pare de praticar crimes de lesa-pátria contra o povo e contra a educação nacional.
.
É preciso que ele pare de privilegiar os banqueiros. Os juros pagos pelas dívidas externa e interna dariam para tirar a Universidade pública brasileira do buraco, transformando-a no grande modelo de templo criador e difusor de saber com que sonhamos.
.
Na luta desesperada por sobrevivência, na luta desesperada pela vida digna, na luta desesperada pela realização de seus sonhos, está todo o povo brasileiro, inclusive os professores universitários.
.
Abraços,
Jorge Antunes
.
Chapa 74 - A UNB QUE NÓS QUEREMOS
Antunes e Baiana - para reitor e vice

O DEBATE (3) - Resposta de Pimentel

Prezado Marcelo
.
Em primeiro lugar, precisamos evitar generalizações.
.
É evidente que existe, entre os docentes, níveis diferentes de comprometimento com a Universidade e suas atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração. Mas também considero que uma boa administração não pode nem deve promover caça às bruxas contra aqueles que, por algum motivo, não estão tendo oportunidade de ter uma carreira acadêmica de destaque.
.
Um dos projetos da Chapa 73, Compromisso com a UnB, é implantar o Núcleo de Apoio ao Professor, que será responsável por criar programas de formação continuada para oferecer oportunidades de atualização a todos os docentes e promoverá diferentes atividades pedagógicas, que conduzam ao aperfeiçoamento e à atualização constante dos professores. O Núcleo também oferecerá efetivo apoio operacional ao docente em sala de aula e assessoria na produção de material didático, bem como acesso a novas técnicas de ensino.
.
Outra forma de auxiliar os docentes a melhorarem a qualidade do conteúdo de suas aulas é criar e implantar o Fórum de Graduação, reunião anual de avaliação de cursos, envolvendo professores, estudantes, coordenadores de cursos e diretores de unidades. Com isso, queremos promover avaliação e retroalimentação do sistema de ensino, possibilitando as trocas de experiências inovadoras e eficientes. Desse fórum, espera-se que crie mecanismos e instrumentos de acompanhamento e avaliação permanente das atividades didáticas e pedagógicas.
.
Consideramos que não há "picaretagem" por parte dos professores, mas, talvez, pouco preparo para a atividade docente. Pretendemos estimular o fim desse círculo vicioso envolvendo os doutorandos e mestrandos no processo ensino-aprendizagem, apoiando a atividade docente e convivendo com a rotina de sala de aula. Há outras medidas a serem tomadas, como tornar o estudante o agente central no processo ensino-aprendizagem. Confira mais detalhes da nossa proposta para o Ensino de Graduação no link abaixo:
..
http://compromissocomaunb.blogspot.com/2008/09/compromisso-com-o-ensino.html.
.,
Abraços
Márcio Pimentel
Chapa 73

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Eleição para reitor pode ir parar na justiça

Clique na imagem para ampliar.
fonte: Jornal de Brasilia de 11 de setembro de 2008.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Meus candidatos favoritos

João Visa Batista - candidato a vice-reitor.

Pink e Cérebro - Eles querem dominar o mundo !

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O DEBATE (2) - Resposta de Antunes

O problema do lixo na UnB
Resposta da Chapa 74 – A UnB que nós queremos!
.
O problema do lixo é algo que atinge não somente a UnB como todo o planeta. Para isso, a chapa 74 – a UnB que nós queremos! - pensa em soluções que integrem toda a universidade e vá além das cartilhas educativas atuais que, apesar de importantes, estão aquém do conjuntura de uma universidade.
.
Lixo hospitalar ou provenientes de pesquisas bioquímicas – de acordo com a Resolução RDC n 33/03 e 306/04 da ANVISA, esse tipo de lixo deve ser tratado com o maior zelo possível para que não contamine o lençol freático ou diretamente a população, como o caso do césio 137 em Goiânia ou da mulher que comeu uma mama amputada em Olinda (1994) por não ter o que comer. Na FAL, há de se aproveitar o esterco como adubo (o que já é realizado em grande parte) e tomar cuidado com a contaminação do lençol freático com o uso dos fertilizantes. O lixo biológico deve ser avaliado se precisa ou não de tratamento para ser aterrado. Já o resíduos tóxicos perigosos (lixos químicos classe 1) necessitam de aterro especial. Portanto, a universidade tem que fornecer capacitação para quem trabalha com esses materiais, mas acima de tudo condições para que eles possam armazenar o lixo em local apropriado e que não ofereça risco à saúde das pessoas. Pensando além da UnB, o problema ambiental esbarra na ausência de aterros sanitários estruturados e com profissionais qualificados para lidar com esse tipo de demanda.
.
Restos alimentares do RU – podem ser utilizados em um biodigestor para a produção de energia elétrica, que é outro problema da UnB. As próprias caldeiras do RU poderiam ser aquecidas com a energia gerada pela biomassa. isso evitaria grande parte dos sacos de lixo orgânico nos contâineres do restaurante, que ajudam na proliferação de agentes nocivos à saúde como ratos, baratas e bactérias.
.
Fortalecimento do Núcleo de Agenda Ambiental da UnB – o núcleo já coordena diversas atividades ligadas à sustentabilidade, como o minhocário para aproveitamento do lixo orgânico. Além disso, conta com a participação de diversos setores como estudantes, técnico-administrativos, docentes e cooperativas, como a de catadores de papel da Esplanada dos Ministérios e de lixo (vidro, alumínio e papel) da Estrutural. Vidro, papel e alumínio podem ser utilizados pelos estudantes da disciplina Escultura II do curso de Artes Visuais, que expõem seus trabalhos ao final de cada semestre no gramado ao lado do Centro de Convivência Negra. É esse núcleo, que trabalha junto com o DEX, o mais capacitado para lidar com campanhas educativas sobre o lixo dentro da universidade e conscientizar o público dos perigos de se jogar lixo no chão.
..
Rotinização de serviços de manutenção – automóveis de apoio (caminhonetes ou vans) com técnicos especializados (bombeiros hidráulicos e elétricos) para consertos de vazamento de torneiras, vasos sanitários ou gás dos laboratórios. Isso evitará que o problema passe pelo UnBDOC via memorando, que demora a resolver o problema.
;.
Enfim, campanhas educativas – essas campanhas só podem alcançar seu objetivo se a universidade estiver imbuída no espírito da sustentabilidade. Adesivos do tipo "ao sair, apague a luz", "antes de imprimir, pense nas árvores" ou "traga sua caneca de casa e evite os copos descartáveis: a natureza agradece!". Dessa forma, as campanhas vão agir nos casos mais pontuais, pois a comunidade acadêmica vai estar consciente de seu "papel ambiental".
.

O DEBATE (2) - Resposta de Pimentel

Olá Marcelo,
Segue a resposta da Chapa 73.
.
Primeiramente, é preciso perceber que a questão não se restringe à produção de resíduos sólidos. Na verdade, a UnB precisa aprimorar e por em prática sua política institucional de sustentabilidade ambiental de uma forma mais ampla. Em 1993, a UnB começou a discutir a questão do lixo no programa O lixo como ponto de partida, que foi posteriormente incorporado ao UnB Verde.
.
Entre 1998 e 2000, foi instalada a Agenda 21 da UnB que tratou da questão da sustentabilidade de forma mais ampla e, naquela ocasião, um detalhado relatório sobre a produção de resíduos sólidos foi produzido. Hoje, temos o conhecimento necessário sobre o tipo e local de produção de resíduos para por em prática uma política eficiente de coleta e reciclagem.
.
Para isso, além de aproveitar o conhecimento e as competências produzidos na própria UnB, alguns pontos específicos devem ser abordados:
.
- aquisição de veículos para a Prefeitura do Campus (PRC), que sejam dedicados à atividade de coleta de resíduos (a frota da PRC está mal equipada);
.
- estabelecer convênio com o SLU para estabelecer a coleta seletiva no campus;
.
- instalar mais lixeiras;
.
- construir abrigos adicionais para armazenagem de resíduos químicos e radioativos (os que existem, localizados nas proximidades do Hospital Veterinário, estão praticamente saturados);
.
- criar uma unidade de tratamento, recuperação e destinação final de resíduos químicos;
.
- garantir que novos laboratórios químicos e geoquímicos, ao serem construídos, já contem com unidades pequenas de tratamento e destinação final de resíduos ácidos;
.
- festas e eventos no campus devem ser registrados sempre no Decanato de Assuntos Comunitários (DAC) para que a Prefeitura possa destacar pessoal para a limpeza no dia seguinte (o ideal é que os participantes de festas tivessem a consciência ambiental e deixassem os locais da mesma forma que os encontraram);
.
- retomar o programa de Educação Ambiental de forma mais efetiva e intensa.

O DEBATE (2) - Resposta de Michelangelo

Prezado Marcelo,
.
A segurança das pessoas será uma prioridade em nossa gestão. A iluminação do campus será um dos instrumentos principais para se garantir a segurança pessoal e evitar a violência. A limpeza relaciona-se à segurança e proteção da saúde humana. O lixo espalhado pelo chão e os banheiros sujos refletem um comportamento que se tornou hábito em nossa universidade. E para mudar hábitos são necessários vontade, persistência e um tempo relativamente longo.
.
Assim as ações concretas que propomos são as seguintes: 1) executar a completa renovação dos banheiros e estabelecer um cronograma de verificação semestral e manutenção, 2) manter um canal aberto com o setor de manutenção e limpeza para que os funcionários saibam o que se espera deles quanto à limpeza dos banheiros e outros locais, 3) dar início a uma campanha educativa agressiva contínua – que se projete além do tempo de mandato do reitor - contra ações que danifiquem ou sujem os ambientes da Universidade, 4) promover a valorização do e respeito ao funcionário da limpeza 5) fortalecer o Decanato de Assuntos Comunitários (DAC) para que este possa atuar efetivamente com programas que eduquem, mas que também coibam atos de vandalismo.
.
Quanto aos lixos químicos, radioativos e material biológico, atualmente existem a Comissão para Gestão de Resíduos Químicos e a Comissão Permanente de Radioproteção para gerenciar os resíduos químicos e rejeitos radioativos, respectivamente. Não existe uma Comissão para gerenciar o descarte de material biológico. Propomos fazer um estudo do trabalho executado por essas Comissões para que possamos otimizar suas ações e avaliar a possibilidade de fundí-las em uma estrutura só para cuidar de resíduos químicos, radioativos e biológicos. A Universidade de Brasília possui um depósito provisório de rejeitos radioativos (algo que poucas universidades brasileiras possuem). Pretendemos avançar nos modos de lidar com o resíduo químico (sólido ou líquido) e dar apoio à implementação do tratamento destes, o que seria de grande valor para a Universidade e o meio ambiente.
.
A UnB que ser um local para dar exemplo para a nossa cidade. Limpeza - e cuidado com o meio ambiente - é um deles.
.
UnBViva - Chapa 72

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Fotos dos candidatos no debate de 28/08 (II)

Márcio Pimentel e sua vice (Sonia Báo)

Michelangelo e seu vice (Paulo Ramos Coelho)


Fotos dos candidatos no debate de 28/08 (I)

Maria Ortiz

.
.
.
.
..
.
.
.
.
.
.
.
.
.



Maestro Antunes (entre Volnei e Pimentel)

José Geraldo e seu vice (João Batista)

.